• Mayara Nunes

Ouvir o chamado para a vocação religiosa: “será que é para mim?”

Ter dúvidas faz parte da vida: decidir entre uma profissão ou outra, entre comprar ou alugar uma casa, entre aceitar ou não uma proposta de emprego. Todos esses questionamentos são um gatilho para uma escolha; quando uma porta é fechada, outra se abre, muitas vezes trazendo consigo uma mudança de vida transformadora.


Mas quando a dúvida é sobre seguir um chamado para a vida religiosa as escolhas demandam, mais ainda, um discernimento acerca das responsabilidades e missões designadas por Deus para cada um.

Quando somos jovens, passamos por vários processos de descoberta do mundo. Começamos a desenvolver nossa personalidade, moldar nossos valores de acordo com nossas crenças e costumes, e, principalmente, fazer escolhas determinantes para o futuro.


Entender se você tem ou não uma vocação para a Vida Religiosa muitas vezes não é um processo simples, que aparece de uma hora para outra como uma iluminação. A trajetória da descoberta vem permeada de dúvidas, receios e questionamentos, e isso é completamente normal.


Nessas horas vem à mente as perguntas: “será que a vida religiosa é para mim?”, “será que realmente tenho vocação para seguir Cristo dentro de uma comunidade consagrada?”. O primeiro passo para revelar essas respostas começa justamente nesse momento de dúvida.


Como todo ser humano, temos medos, inseguranças, vontades e valores; devemos entender que o convite de Deus à vocação religiosa acontece para pessoas “comuns”, como cita o livro Coríntios, 1:26: “Irmãos, pensem no que vocês eram quando foram chamados. Poucos eram sábios segundo os padrões humanos; poucos eram poderosos; poucos eram de nobre nascimento”.


Acolha as dúvidas e inseguranças e se entregue à oração e à meditação como forma de buscar paz de espírito e abrir o coração para ouvir com mais clareza qual é o chamado de Deus para você; busque se informar, conversar com pessoas que passaram pelo mesmo que você está passando; estude a Bíblia e o sacerdócio para auxiliar no processo de discernimento.


Mas lembre-se: aceite e aprecie toda a jornada. Deus sabe o que faz e, se você ainda está com a mente inquieta atrás de respostas, não se preocupe: se for para ser, Deus te chamará no momento certo. Você só precisa estar disposto a ouvir.


Texto| Mariana Ferreira






18 visualizações0 comentário