• Mayara Nunes

A missão de defender os Direitos Humanos e a justiça social

Existem pessoas que parecem já nascer com uma missão. Pessoas que desde criança já despertam o olhar para alguma questão ou demonstram algum dom de maneira totalmente natural, e que pode ser determinante para seu futuro e sua vida.


A inclinação para a defesa da justiça e dos Direitos Humanos começou muito cedo na vida de Michael Mary Nolan. Nascida em Washington, EUA, numa família ativa política e socialmente, ainda muito nova ela já estava inserida em um contexto de busca por igualdade.

Durante sua vida escolar, no primário estudou com as Irmãs de São José de Chestnut Hill e com as Irmãs da Santa Cruz no colegial. Nessa época já pensava em seguir o exemplo das missionárias e descobrir sua vocação religiosa. Ela já sabia que sua atração era voltada à defesa dos direitos dos mais vulneráveis e justiça social.


Se formou em Administração de Empresas e Ciências Sociais nos Estados Unidos e depois veio para o Brasil. Uma de suas primeiras missões foi na Paróquia de São José, no Jaguaré, em São Paulo, onde ela trabalhava com os Padres da Santa Cruz. Segundo ela, naquela época, a paróquia incluía a maior favela da cidade. “Os Padres tinham um senso crítico da situação e exerciam um trabalho libertador”, relembra.


Em 1978 atuava como coordenadora do trabalho social no Jaguaré e foi convidada a ser membro da Comissão Arquidiocesana dos Direitos Humanos e Marginalizados de São Paulo. Ela era uma das duas únicas mulheres presentes na comissão.


Nos anos 1980 ela voltou para a faculdade, dessa vez para cursar Direito na PUC-SP. Desde então trabalha como advogada criminal representando as populações mais vulneráveis da sociedade. Sua atuação é reconhecida nacional e internacionalmente, sendo sua imagem um forte ícone quando o assunto é a defesa dos direitos humanos no cenário carcerário.


Durante os cinquenta e dois anos de missão no Brasil como missionária e advogada, ela relembra o texto bíblico que fundamentou sua vocação e jornada ao longo de seu trajeto. A passagem é de Miqueias 6:8, que diz “praticar a justiça, amar a misericórdia e caminhar humildemente com seu Deus”.


Sua vocação vem sendo fortificada desde a descoberta de sua missão, há muitos anos. “A Congregação sempre encorajou cada irmã a encontrar a espiritualidade que mais permitia a ela praticar o carisma da congregação e de fazer isto no campo que mais permitia que ela usava seus próprios dons”. E seu dom, todos sabemos, ela pratica muito bem.


Texto| Marina Ferreira

28 visualizações

©2017 por Agência FAZERCOM -  Gestão em Comunicação.

Siga a Congregação das Irmãs da Santa Cruz

FALE  CONOSCO

 (11) 5631-0478 | 5631-0517

R. Antônio Furlan Júnior, 127 (portaria 15) - Vila São Pedro - 04676-020 - São Paulo, SP 

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - White Circle